quinta-feira, 18 de junho de 2009

Fim da exigência do diploma de Jornalismo: Avanço ou retrocesso ?


Leandro Altheman

Comemorada por uns e repudiada por outros, a decisão do STF em caráter definitivo põe fim a uma novela que já durava alguns anos, tendo de um lado Sindicatos de Jornalistas, Universidades e do outro as Empresas de Comunicação.

São inúmeros os argumentos pró e contra o diploma.

É fato que muitos profissionais, tidos como referência na área, jamais cursaram jornalismo e muitos são mesmo autodidatas.

No entanto, isto não é anormal para uma profissão ainda recente. Afinal de contas Hipócrates, o pai da Medicina, também não cursou Faculdade de Medicina.

Contudo, o argumento do Sr. Ministro Gilmar Mendes é o pior que se poderia esperar de um magistrado e demonstra sua total inépcia para ao assunto: segundo ele a exigência de diploma fere o direito constitucional á liberdade de expressão. Ora, é o mesmo que eu dizer que a exigência do diploma de médico, fere o direito à vida. Todos temos o direito á liberdade de expressão, mas (perguntar não ofende!) Você tem uma concessão?


Como profissional da área, reconheço que há colegas que exercem muito bem a profissão, melhor até do que muitos que estão formados. (Conheci um agricultor na foz do Tejo que fazia cirurgias, talvez, melhor do que alguns médicos formados - isto justificaria o fim da exigência do diploma?). É verdade também que o exercício diário da profissão exige muito mais conhecimentos técnicos do que conhecimentos específicos, no entanto, a passagem pela universidade tem por objetivo alimentar o senso crítico. Lidar com informação não é o mesmo que lidar com macarrão, Sr. Ministro, embora também este possa causar uma indigestão, a informação é quem determina o rumo das nações e sociedades.

Pesando os prós e os contras, na minha opinião, como profissional de imprensa, acho um retrocesso a decisão. Vai significar a fragilidade do profissional perante as empresas de comunicação. Saem fortalecidas as empresas de comunicação, que muitas vezes estão comprometidas com o interesse econômico do grande capital e não estão isentas de opinião.

3 comentários:

  1. PSDB de coração19 de junho de 2009 08:45

    legal leandro, mais isso é meio complicado mesmo e cai ainda por terra a era técnica do governo da floresta.. vc pode comentar isso ............por exemplo acho que o gov. da frente popular piorou quando o binho e sua equipe que diz técnica só faz merda "esse recado é pro farofino que não libera comentário por que é do PT"

    ResponderExcluir
  2. Resposta de Leandro

    O saber técnico é importante, mas precisamos também de pensadores, seja no governo, ou na imprensa. Na minha opinião, dizer que um governo é "técnico", é uma maneira branda de dizer que todos ali devem seguir determinada política, sem capacidade ou autoridade de questioná-la. É onde a democracia acaba. E não tenha dúivida que esta será a política dominante nas redações daqui para frente. felizmente temos a Internet, um verdadeiro fura bloqueio das idéias.

    ResponderExcluir
  3. concordo com vc meu caro Leandro, os técnicos servem muito numa gestão, desde que cuidando da gestão burocrática. Mas o comando tem que ser político. Nem sempre um médico pode ser um bom gestor de uma unidade hospitalar por exemplo.

    ResponderExcluir