sábado, 19 de novembro de 2011

A civilização da escada rolante e da esteira elétrica


Nesta semana, lideranças indígenas estiveram reunidas em Cruzeiro do Sul para debater as consquências do atual modelo de desenvolvimento nas comunidades tradicionais.

O assunto é recebido com toda antipatia possível da sociedade cruzeirense, uma sociedade que desenvolve-se na perfieria do sistema capitalista e deseja sobretudo os frutos pretensamente saborosos do falado desenvolvimento.



Ora, quem são esta meia duzia de índios mestiços com seus cocares fajutos para questionar o desenvolvimento?


A questão é que as maiores cróiticas ao atual sistema de desenvolvimento não parte das lideranças indíegans, mas exatamente do olho do furacão do sistema capitalista. Occupy Wall Street. Milhares de pessoas ocuparam a praça em frente da Bolsa de Valores de Nova Yorque para protestar contra o atual sistema capitalista, simplesmente porque ele dá sinais claros de esgotamento.

O atual crescimento econômico é baseado em uma falácia. É o estímulo a um consumismo desenfreado que não pode ser sustentado pelo planeta. Se cada cidadão do mundo consumisse o mesmo que um cidadão estadunidense, precisariamos de cinco planetas Terra. Mas o fato é que temos só um.

O Brasil ganha fôlego no seu crescimento econômico simplesmente porque parte significativa da população estava fora do mercado de consumo e a partir da política de distriubuição de renda do Governo Lula, passou a ter acesso ao mercado de automóveis, eletrodomésticos, roupas e calçados, etc. Aquecendo a economia e o mercado interno do país. Isso é ótimo, é maravilhoso poder ver as pessoas vivendo dignamente. Mas o sistema tem limites e épreciso ter clareza deles.

As cidades já não comportam a quantidade de automóveis, mas eles continuam a ser produzidos em larga escala e são um importante fator gerador de emprego e renda no país. Mais automóveis significam mais combustíveis, mais poluentes lançados no ar, mais aquecimento global. Significam também mais avenidas, pontes, viadutos, rodovias. Que fazem girar a roda da economia, construtoras, caixas 2, eleições e políticos que já iniciam seus mandatos comprometidos com este sistema. Por outro lado as pessoas vão perdendo espaço para o automóvel nos grandes centros. Alguém já falou que se fossemos vitidaos por uma civilização extraterrestres, veriam a humanidade como escravos do automóvel. Vivemos para eles: os alimentamos e furamos a terra em busca de mais alimento, construímos cidades inteiras, de avenidas a estacionamentos e trabalhamos para pagar os seus gastos.

Mas nada define tão bem a nossa sociedade quanto o paradoxo das escadas rolantes e da esteieiras elétricas:

A sociedade cria todo tipo de conforto e segurança, gasta-se energia elétrica para se movimentar escadas rolantes e poupar as pessoas de gastarem suas própria energia. Aí elas se tornam gordas e sedentárias e tem que gastar suas energias em esteiras elétricas para se movimentarem sem sair do lugar o que demanda mais energia elétrica. Não seria melhor ter uma vida mais simples, que a gente pudesse se movimentar?

E depois ainda são os índios que são os preguiçosos!

Assista ao lado o vídeo: A História das Coisas

Um comentário:

  1. COMPREI DESSE SITE http://www.mercadozets.com.br/ O SITE ENTREGA RAPIDO COM NOTA FISCAL E GARANTIA

    TEM BERLO ELETRONICOS CELULARES TV NOTEBOOK COMPUTADOR ACESSORIOS PARA CARROS BRINQUEDOS ARTIGOS INFANTIS E MUITO MAIS

    TEM MAIS DE 2000 PRODUTOS.
    ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...
    ESTEIRA

    http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?texto=esteira&IDCategoria=504

    ESPORTE E SAÚDE

    http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?idCategoria=504

    ResponderExcluir